SEO Técnico: Estes são os 5 fatores mais importantes que o teu site tem de garantir!

O SEO Técnico (ou Technical SEO) refere-se, de uma forma geral, a toda a otimização realizada no teu site que está diretamente relacionada com processos mais técnicos. O objetivo destas otimizações é ajudar os motores de pesquisa a rastrear e indexar o conteúdo do teu site mais eficazmente (promovendo o ranking orgânico).

Os motores de pesquisa, como o Google, dão um tratamento privilegiado a sites que respeitem certas características técnicas. E porquê?! Ora, a resposta é obvia! Pensa comigo…

O Google é um serviço gratuito, certo (“Ah e tal, mas tens o Google Ads!” – estou obviamente a falar de todo o processo orgânico – rastreamento, indexação, pesquisa, etc…)?! Tu não pagas para pesquisar um termo, e também não pagas para indexar o teu conteúdo. No entanto, e apesar de ser um serviço gratuito, é necessário um vasto poder computacional para este serviço não falhar, e para que se mantenha estável e atualizado… apenas com isto, torna-se obvio o porquê de um site devidamente otimizado seja privilegiado, certo?! 😉

Parâmetros como a segurança do teu site, este ser “amigo” de dispositivos móveis e, até, a velocidade de carregamento, são parâmetros de SEO Técnico que precisarás de garantir para assegurar que o teu site está devidamente otimizado.

1) Usa um certificado SSL no teu site.

Um certificado SSL é uma tecnologia que garante uma ligação encriptada entre o servidor, que está a alojar o teu site, e o browser. Podes verificar os sites que têm um certificado ativo através do seu URL – um site seguro começa sempre com “HTTPS”, em vez do tradicional “HTTP”.

Aliás, já em 2014, a Google anunciou que queria ver o “HTTPS” em todos os sites na web. Como resultado desta vontade, desde 2018 (se não me engano) que todos os sites sem um certificado SSL são considerados inseguros. Torna-se obvio que, se o teu site não estiver em conformidade, este vai ser penalizado nos resultados de pesquisa…

2) A rapidez com que o teu site é apresentado.

Os motores de pesquisa preferem sites que carregam rápido. A velocidade de carregamento é um dos fatores mais importantes para o ranking do teu site. No âmbito do SEO Técnico, existem bastantes fatores que condicionam a velocidade de um site. Por exemplo:

  • Compressão de imagens: Certifica-te que todas as imagens que fazes upload para o teu site estão em formato comprimido, com o máximo de 1600px de largura (aconselhado 1200px) e com um tamanho que não exceda os 300kb. Se utilizas o WordPress, tens plug-ins que fazem este tratamento automaticamente.
  • CACHE: Certifica-te que o CACHE para as páginas do teu site está ativo. Quase todos os CMS têm uma opção para controlar o CACHE. Se utiliza o WordPress, tens inúmeros plug-ins à escolha.
  • Um alojamento rápido: Aloja o teu site sempre em alojamentos com provas dadas, e afasta-te de alojamentos gratuitos ou menos credíveis.
  • Scripts e plug-ins: Restringe o uso de scripts e Plug-ins ao mínimo possível
  • Folhas de estilo: Utilizar apenas uma folha de estilos (CSS) em vez de várias também pode ajudar para um carregamento mais rápido.
  • Compressão GZIP: Assegura que as páginas do seu site são comprimidas pelo servidor.
  • Compressão de código: Mantem o teu código o mais comprimido possível (HTML, CSS e Javascript), utilizando ferramentas como as incluídas em https://www.minifier.org/.

3) O teu site é “mobile-friendly”?

Não é novidade nenhuma que navegamos na internet através do nosso smartphone, tablet ou phablet. É algo que não vai mudar! Aliás, só aumenta a cada dia que passa.  Garantie que tens um site responsivo, adaptado aos dispositivos móveis.  Considero que o foco no desenvolvimento do teu site, ao contrário do que era noutros tempos, deverá ser sempre “mobile-first” e, só depois, “desktop”.

4) O teu site tem um Sitemap em XML?

Outra forma de ajudar os motores de pesquisa a rastrear e indexar o conteúdo do teu site, é disponibilizar um sitemap, em formato XML. Este ficheiro, para além de listar todas as páginas do teu site, que desejas ver indexadas, ajuda, também, os motores de pesquisa a perceberem a periocidade de atualização dos teus conteúdos. Na prática, o sitemap XML indica:

  • A localização exata das páginas que desejas ver indexadas;
  • A data da última atualização de cada página;
  • A prioridade da página, perante as outras páginas do seu site; e
  • A frequência com que atualiza o seu site, ou as páginas do seu site.

Se utilizas um CMS (Content Management System) para gerir o teu site, como por exemplo o WordPress ou o Concrete5, é muito provável que tenha uma ferramenta que o gera e atualiza automaticamente. Caso tenha um site em HTML, podes gerar manualmente através de uma ferramenta como esta https://www.xml-sitemaps.com/.

5) Adiciona Dados Estruturados (Schema Markup) ao teu site.

Os Dados Estruturados são frações de código que, ao adicionar às páginas do teu site, ajudam os motores de pesquisa a identificar, organizar e apresentar o conteúdo de uma determinada página, dentro do seu site.  Ou seja, o Google, por exemplo, consegue indexar o seu site muito mais eficazmente. Na prática, se através dos Dados Estruturados os motores de pesquisa têm o trabalho facilitado, obviamente o teu site terá prioridade sobre outros que não tenham esta otimização.

Chegámos ao fim deste conteúdo, mas não dos relacionados com SEO 😊! Acredito que este conteúdo te tenha ajudado a otimizar a visibilidade do teu site, e otimizá-lo perante os padrões mais atuais. Se tiveres alguma questão, envia-nos aqui a tua mensagem ou contacta-nos através das nossas Redes Sociais, teremos todo o gosto em responder-lhe 😊

Leave a Comment

Cookies & Políticas de Privacidade

Este site usa cookies para garantir que obtenha uma melhor experiência de navegação. Aceda aqui para mais informações.